Ligue para Matuto: 81.9918.9456 / 8790.3018 ou centraldenoticiasdegravata@hotmail.com

NO DIA INTERNACIONAL DA CERVEJA (03), ESPECIALISTA ELENCA TUDO O QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE AS CERVEJAS ARTESANAIS

sexta, 03 de agosto de 2018

Do processo de fabricação aos ingredientes, entenda a cerveja e escolha a que tem mais a ver com o paladar.

Com o boom das cervejas artesanais e especiais no Brasil, muitas pessoas têm se apaixonado pelas bebidas mais encorpadas, saborosas e de cores e cheiros mais específicos. Mas muita gente ainda não sabe bem como separar um estilo do outro, o que as diferencia, o que as tornam tão especiais quando comparadas com as industriais e o como elas são feitas. Pensando em esclarecer mais sobre esse assunto, o sócio da Debron Bier, Thomé Calmon, explica um pouco sobre os principais componentes e processo de criação de uma verdadeira cerveja artesanal, para entender e saber escolher a que mais agrada ao paladar. Veja:

Lei da Pureza Alemã

Foi há 500 anos, no dia 23 de abril de 1516, que a Reinheitsgebot foi aprovada em Ingolstadt, na Região da Bavária. “Esse nome difícil de escrever e pronunciar nada mais é que a norma que estabelece que uma boa cerveja deve conter apenas água, cevada, lúpulo e levedura, ou seja, a tão conhecida Lei da Pureza Alemã”, explica Calmon. A partir da manipulação desses ingredientes, é possível formar diversos estilos de cerveja, levando em consideração a torra, qual o tipo de lúpulo, entre outras medidas e sutilezas. Essas características serão definidas a partir da escola cervejeira que serve de referência.

Escolas cervejeiras e estilos

As escolas cervejeiras nada mais são do que as regiões onde são produzidas cervejas há centenas de anos, seguindo alguns parâmetros que influenciam até hoje a produção da bebida em diversas partes do mundo. Os principais países referências são a Alemanha, Bélgica e Inglaterra. Outra escola que vem se popularizando e ganhando seguidores é a Americana, que já tem um estilo específico que está se difundindo entre os apaixonados pela bebida.  “Esses estilos foram criados seguindo alguns princípios como o de temperatura do local, disponibilidade de insumos, herança histórica e tradições locais. A cerveja criada a partir disto tudo tem um estilo próprio”, comenta.

Levedura

“Importante ingrediente na produção da cerveja, o levedo é um fermento inativo que provém da fermentação da cevada e é o grande responsável por transformar o açúcar em álcool”, explica. O levedo de cerveja é derivado de um fungo conhecido como Saccharomyces cerevisiae e, assim como as carnes, também é rico em proteínas, mas com a vantagem de não conter colesterol e gordura. Além disso, é rico em vitaminas do complexo B e cromo, e acaba sendo um aliado do sistema imunológico e promovendo resistência e desintoxicação do organismo. Também reduz os níveis de glicose no sangue e mantém a integridade do sistema nervoso, evitando o estresse e o cansaço mental e físico.

Lúpulo

O lúpulo é uma flor da família das canabidáceas e serve para dar à cerveja o amargor, além de contribuir com o aroma da bebida. Esse ingrediente especial possui ainda potentes antioxidantes naturais, que retardam a deterioração de tecidos celulares. Alguns componentes do lúpulo têm efeito bactericida.

Malte e cevada

Quase toda colheita de cevada do país é direcionada para a fabricação de cerveja. A cevada é um cereal. Para ser usada na fabricação de cerveja, ela tem que ter um teor mínimo de 95% de germinação. Quando os grãos brotam, o processo é interrompido e eles, que agora eles já são considerados malte verde, são secos ou torrados. Dependendo da intensidade da seca e da torra é que o malte adquire determinadas características de coloração e aroma, podendo ser mais claro ou mais escuro, determinando as características da bebida. Depois de produzido, o malte se junta aos demais ingredientes como o lúpulo, água e levedura, finalizando a produção da cerveja.

Desenvolvido por Augusto Correia